Tathiana Pedroso's Blog

pensamentos, educação e arte

diários… 24 de setembro de 2011

      Nesses últimos três anos redescobri a importância de ter um diário.

    Diário é seu maior expositor dos pensamentos. Somente por registrar uma palavra, um desenho, ou rabisco, me parece que o inconsciênte torna-se consciênte! Trazer para a consciência questões que estão lá no quentinho, só esquentando seu corpo, é essencial para o caminho da vida! Sem contar que o diário é seu melhor amigo. Sabe de tudo! Timtim por timtim dos seus segredos, vontades e inquietações… Mesmo com o perigo de alguém pegar, ler e desvendar tudinho, não tem problema! Criamos códigos, línguas que só nós entendemos, não é mesmo?

     No primeiro post desse blog escrevi o poema Guardar de Antônio Cícero para ilustrar a função desse blog. Hoje vejo que sua função se concretizou! Guardo meus pensamentos e trabalhos com meus alunos e minhas histórias contadas e inventadas pelo mundo. Sua função é guardar os registros de uma história de amor e paixão pelo que faço e me lembrar desse amor avassalador…Isso é bom!!!

    Achei um vídeo do poema com a voz do autor. Agora vou ilustrar o que ilustrou! Também ouvir um poema com a voz do autor traz mais força para as palavras! 

     Em um dos cursos que eu ministro proponho um diário de bordo para os alunos. Um diário artístico! Apresentei todos os meus (o primeiro foi aos 12 anos) e também o diário de Frida Khalo. Li alguns acontecimentos da minha vida e conversamos muito sobre a importância do registro. Depois fizemos a capa com a nossa cara. A capa mais bonita de todas! Essa é a dica: escolher um caderno ou fazer uma capa para ele que nos apaixonaremos! Vai dar uma vontade danada de escrever nele toda vez, pode ter certeza!

     Alguns alunos me perguntaram se um diário tem que ser escrito todos os dias? Depende! Apesar do nome dizer que a escrita é diária, você pode estipular um dia da semana para ou até mesmo escrever quando precisar! Como o meu tempo é curto eu escrevo quando preciso! Quando o tempo era maior pra mim (estava na escola ainda) eu escrevia todos os dias. Eu tinha uma agenda da Pakalolo (uma marca em alta na época) que eu escrevia tudo o que tinha acontecido no dia e colava papel de bala que eu ganhava, bilhetinhos de amigos… Uma delícia! Encontem o seu tempo para a escrita e se divirta-se…

 

Educar para o aprender… 27 de março de 2011

Filed under: Arte educação,Pensamentos... — tathianacores @ 21:20
Tags: , , , , , , , ,
 

O que você queria ser? 14 de junho de 2010

Filed under: Pensamentos... — tathianacores @ 23:59
Tags: , , , ,

MOTORISTA DE CAMINHÃO, BAILARINA COM SAPATILHA DE PONTA, DANÇARINA DO PROGRAMADO SILVIO SANTOS, KARATECA DO SENHOR MIYAGUI, PROFESSORA, ORGANIZADORA DE PAPÉIS NO ESCRITÓRIO, A MOÇA QUE SORTEAVA AS CARTAS NOS PROGRAMAS (PARA FICAR NA CHUVA DE CARTAS), PATINADORA DO HOLIDAY ON ICE, VENDEDORA DE MINI-BATOM, DATILÓGRAFA,…

*Foto retirada do blog http://www.makeseafins.blogspot.com

 

Registro 14 de agosto de 2009

Filed under: Arte educação — tathianacores @ 17:23
Tags: , , , , , , , ,

Guardar

Antônio Cicero

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.

Em cofre não se guarda coisa alguma.

Em cofre perde-se a coisa à vista.

Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por

admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.

Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por

ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,

isto é, estar por ela ou ser por ela.

Por isso melhor se guarda o vôo de um pássaro

Do que um pássaro sem vôos.

Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,

por isso se declara e declama um poema:

Para guardá-lo:

Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:

Guarde o que quer que guarda um poema:

Por isso o lance do poema:

Por guardar-se o que se quer guardar.

A importância de registrar o processo tanto pelos professores, quanto pelos alunos é enorme. Com o registro dos nossos trabalhos temos a possibilidade de guardar momentos e iluminá-los em nossa vida para que possamos, ao mesmo tempo, ou tempo depois, sermos iluminados por esses.

Há inúmeras formas de registro, não somente no papel. Aqui está uma ideia que desenvolvi com alunos do quarto e quinto ano da rede pública de São Paulo.
Todo último dia de cada mês era reservado para o “revisitando” : momento em que retomávamos e refletíamos sobre o trabalhado no mês. Em uma das turmas, nesses dias, registramos todo nosso processo nos retalhos de tecido e, ao final do semestre, montamos nosso tapete:

tapete3tapete2