Tathiana Pedroso's Blog

pensamentos, educação e arte

ser ou não ser? 17 de março de 2012

Filed under: Arte educação — tathianacores @ 16:00
Tags: , , , , , , ,

       Acho lindo quando alguém fala que queria ser o que é hoje desde criança! Parei para pensar o que eu queria ser, mais uma vez (já fiz um post sobre meus quereres infantil, aqui!)!

      Morava com meus pais e irmãos em uma casa grande quando pequena. O quintal era enorme, praticamente do tamanho da casa! Nele chegamos a ter um saguí (meu pai era louco!), pássaros e vários cachorros! Eu e meus irmãos fazíamos a casa do cachorro a nossa, do jardim a nossa floresta e todo o espaço acimentado de nossa pista de corrida de velotrol. Em um belo dia minha mãe resolveu fazer um galpão para trabalhar. Durante um bom tempo as máquinas de costura tomaram conta do lugar. Não deixei o espaço. Ficava entre as máquinas querendo percorrer as linhas para seguir o seu destino. Queria costurar – fazer roupas para mim, para as bonecas, para o mundo! Mas só me deixavam experimentar retalhos nas linhas da máquina. Queria aprender e acabei não aprendendo como gostaria. Depois a oficina mudou de endereço. O galpão ficou vazio – prato cheio para a imaginação. Lugar  para guardar o não uso!

      Não sei como, mas apareceram cadeiras e mesas de escola. Logo, eu e meu irmão, fizemos do galpão nosso lugar de fazer lição de casa! Troquei a linda escrivaninha do meu quarto, a mesa da sala, pelo galpão! Apareceu até uma lousa enorme de giz! Dai começou a grande aventura de ser professora… Amigas ou primas em casa: brincar de escolinha. Se não tivesse, tudo bem, eu pegava meu irmão pra assistir as aulas,  fazer lição para eu corrigir e escrever bilhetes de parabéns!

     Quando cresci mais um pouquinho…Assim, um pouco menor do que hoje, me vi dentro de uma sala de aula! Não era como quando criança. Afinal, aulas de artes não tinham a mesma rotina de como eu brincava! Mas a paixão da brincadeira era a mesma! 

     Ontem foi a última aula de uma turma que acompanhei por quase oito meses no curso profissionalizante. Olhava para eles com o coração de amor. Como coração de uma mãe que deixará os filhos seguirem suas vidas sozinhos. Um grande passo para o caminho deles… Mas o coração aperta pensando se terão o melhor caminho possível que poderão conquistar! Apesar de não ser mãe, acredito que é um sentimento muito próximo de uma mãe quando o filho sai de casa, mas o de mãe é multiplicado por 3!

     Meu coração se enche de amor com cada lágrima, com cada palavra de carinho, com cada gesto! Amo muito meus pintinhos!! Sorte à todos!

     Um em especial me encheu os olhos. Um grande dançarino, um grande coração! Ao falar para ele: “vai fazer a sua arte e arrebenta! Não desiste, vai em frente!”, não aguentou segurar as lágrimas. Lágrimas de mais um artista no mundo!

      Quer mais? Brincadeira de criança é bom demais! Eu sou uma eterna brincante do mundo…Evoré!

LungTa feito pelos alunos com palavras do bem para o mundo!

 

Passarím… 4 de outubro de 2011

Filed under: histórias,Pensamentos... — tathianacores @ 16:51
Tags: , ,

Canção do ver
Por viver muitos anos
dentro do mato
Moda ave
O menino pegou
um olhar de pássaro –
Contraiu visão fontana.
Por forma que ele enxergava
as coisas
Por igual
como os pássaros enxergam.
As coisas todas inominadas.
Água não era ainda a palavra água.
Pedra não era ainda a palavra pedra. E tal.
As palavras eram livres de gramáticas e
Podiam ficar em qualquer posição.
Por forma que o menino podia inaugurar.
Podia dar as pedras costumes de flor.
Podia dar ao canto formato de sol.
E, se quisesse caber em um abelha, era só abrir a palavra abelha
e entrar dentro dela.
Como se fosse infância da língua.
Manuel de Barros

 

Passarím – Núcleo de experimentar  palavra e cena é meu mais novo filho em formação.Ainda mais com a grande parceira Emilie Andrade

Acredito nesse processo como nos meus vôos pelo mundo…

Quer dar uma espiada? Click na imagem

 

 

cada um é um… 29 de setembro de 2011

Educadores, vamos que vamos pensar, questionar e nunca parar!!!

Precisamos saber mais e mais. Precisamos entender que cada aluno é um!! Como podemos estimular os saberes pessoais?

Três coisas fomentaram esse post.

Uma é a entrevista do Criolo para a revista Trip de Setembro (Matéria aqui!) em queele fala muito sobre a educação no país. Estou admirando cada vez mais esse músico e “palavreiro”. Acabei de chegar do show dele com a sensação de que o mundo não está perdido em sonhos bobos. Temos Homens pensantes que nos mostram a pura realidade através da arte. O amor está no que ele faz e como ele faz! (Quem não conhece e quer conhecê-lo vale a pena:Escuta aqui e leia a reportagem). Uma clareza e uma paixão que me faz entender um pouco mais sobre nossa realidade. Na entrevista ele diz que não lê muito, não sabe tocar um instrumento, não é bom em matemática e não ia muito bem na escola. Mas na relação humana sempre foi ótimo, mas que isso não entra no currículo, não é mesmo?

A segunda questão veio de uma conversa com uma amiga. Ela me contou que seu filho não está querendo mais ir para a escola. Ele está no primeiro ano do ensino médio e já repetiu um ano por falta. Ela tenta de tudo (e ele também), mas a angústia dele por não ter nada que o agrade na instituição lhe traz dores no corpo, enjôo e náuseas. Prefere ficar em casa trabalhando com o que mais gosta: jogos de computador. O menino é gênio nisso, aos 16 anos já fez jogos e troca informações através de um blog com pessoas feras no assunto. Essa inteligência entra no currículo?

Sim, temos que questionar a máquina da educação. Mas a questão desse post está no foco do olhar do educador para cada ser que está em sua frente. As pessoas não são iguais e se fossem o mundo seria muito chato! Uma vez uma aluna de 13 anos escreveu sobre isso: “como eu iria falar dos meus sentimentos para outra pessoa se ela fosse igual a mim? Não teria graça porque ela sentiria a mesma coisa que eu!” Então por que tratar todos como se fossem o mesmo ser? Há quem goste de pintar, de matemática, de filosofia, música… Tudo bem! Vamos dar ferramentas para esses no caminho mais familiar para que ele construa seu percurso de pensamentos e nos faça ver coisas novas e produtivas!! Que fique claro que não digo que devemos dar somente filosofia para quem gosta de filosofia e deixar a matemática de lado porque ele não gosta! Falo de incentivar o ser para ver mais, sentir mais sobre o que lhe chega com mais amor e abertura!

Por fim, um exemplo bonito é esse vídeo que um amigo postou em uma rede social e veio ao encontro de todas essas questões. Todas conversaram dentro de mim de tal forma que necessitei, urgentemente, registrar esse pensamento…

Transformo uma frase da música do Criolo em pergunta:

O que te traz um gole de vida?

 

diários… 24 de setembro de 2011

      Nesses últimos três anos redescobri a importância de ter um diário.

    Diário é seu maior expositor dos pensamentos. Somente por registrar uma palavra, um desenho, ou rabisco, me parece que o inconsciênte torna-se consciênte! Trazer para a consciência questões que estão lá no quentinho, só esquentando seu corpo, é essencial para o caminho da vida! Sem contar que o diário é seu melhor amigo. Sabe de tudo! Timtim por timtim dos seus segredos, vontades e inquietações… Mesmo com o perigo de alguém pegar, ler e desvendar tudinho, não tem problema! Criamos códigos, línguas que só nós entendemos, não é mesmo?

     No primeiro post desse blog escrevi o poema Guardar de Antônio Cícero para ilustrar a função desse blog. Hoje vejo que sua função se concretizou! Guardo meus pensamentos e trabalhos com meus alunos e minhas histórias contadas e inventadas pelo mundo. Sua função é guardar os registros de uma história de amor e paixão pelo que faço e me lembrar desse amor avassalador…Isso é bom!!!

    Achei um vídeo do poema com a voz do autor. Agora vou ilustrar o que ilustrou! Também ouvir um poema com a voz do autor traz mais força para as palavras! 

     Em um dos cursos que eu ministro proponho um diário de bordo para os alunos. Um diário artístico! Apresentei todos os meus (o primeiro foi aos 12 anos) e também o diário de Frida Khalo. Li alguns acontecimentos da minha vida e conversamos muito sobre a importância do registro. Depois fizemos a capa com a nossa cara. A capa mais bonita de todas! Essa é a dica: escolher um caderno ou fazer uma capa para ele que nos apaixonaremos! Vai dar uma vontade danada de escrever nele toda vez, pode ter certeza!

     Alguns alunos me perguntaram se um diário tem que ser escrito todos os dias? Depende! Apesar do nome dizer que a escrita é diária, você pode estipular um dia da semana para ou até mesmo escrever quando precisar! Como o meu tempo é curto eu escrevo quando preciso! Quando o tempo era maior pra mim (estava na escola ainda) eu escrevia todos os dias. Eu tinha uma agenda da Pakalolo (uma marca em alta na época) que eu escrevia tudo o que tinha acontecido no dia e colava papel de bala que eu ganhava, bilhetinhos de amigos… Uma delícia! Encontem o seu tempo para a escrita e se divirta-se…

 

para ouvir e se deliciar… 1 de setembro de 2011

Para quem gosta de ouvir boas histórias aqui está o link da página do

Itaú cultural com um acervo grande…

Para se deliciar!

Te dou minha palavra

 

encontramento 27 de agosto de 2011

Com muito orgulho sou a entrevistada do encontramento #3, um projeto da querida Emilie Andrade em seu blog (http://www.emilieandrade.blogspot.com/).

Me encontrei com essa mulher  em 2004 na faculdade e nossa parceria começou aí! Agradeço ao céu por essa oportunidade…Com ela conheci e aprendi muitas coisas e desde então minha vida se encheu de cores e sabores. Nada é por acaso e por isso digo e repito: somos uma dupla de duas! Duas mulheres em busca da palavra do mundo através das artes.

Vejam o trabalho lindo que ela faz no blog dela como atriz, como contadora de história e pesquisadora…Menina porreta que soube aproveitar todas as oportunidades que a vida lhe deixou na mão…Te admiro muito, nega!!!

 

 

Educar para o aprender… 27 de março de 2011

Filed under: Arte educação,Pensamentos... — tathianacores @ 21:20
Tags: , , , , , , , ,